Headlines
Published On:quinta-feira, 10 de outubro de 2013
Postado Por José Silva

Aumenta o secularismo em Espanha

Observatório do Pluralismo Religioso em Espanha acaba de publicar os resultados da segunda pesquisa sobre "opiniões e atitudes do espanhol para a dimensão quotidiana da religiosidade e da gestão pública", um documento que foca a sua análise sobre a forma como a sociedade percebe o fato de dimensão de coexistência religiosa.

      A primeira parte do relatório destaca a importância da religião na vida dos espanhóis. Ele revela a tendência de queda na prática religiosa, muito marcada na geração com menos de 35 anos.

      Para a pergunta "Qual a importância da religião na sua vida?" 45,9 da população dá importância (muito importante 14,7, 31,2 muito importante). 29 por cento consideram “pouco" importante, enquanto 24,1 dizem que a religião não é importante na sua vida.
    Numa escala de 1-10, 40 por cento daria um ' insuficiente '. 13 por cento daria "aprovado". As outras opções estão espalhadas por cerca de 10 por cento.
      A maioria da população espanhola é definida como “crente não-praticante", opção que ascende a 36,8 por cento. Seguem-se os que se definem como crentes praticantes, que são 31,4 por cento da população. Indiferentes e agnósticos somam 9 por cento cada. Os ateus sobem para 12 por cento.
      Refletem-se aqui por idades grandes diferenças geracionais. Nas conclusões do estudo, Carolina Bescansa, diretora de pesquisa, diz que "todos os indicadores evidenciam um peso comparativamente superior muito da questão religiosa entre as pessoas com mais de 55 anos e uma intensa expansão das posições mais desvinculadas das crenças ou práticas religiosas entre aqueles que têm menos de 35 anos".
      Assim, podemos dizer que a maioria da sociedade espanhola acredita que a religião é menos importante para eles do que foi para os seus pais (54 por cento). Apenas 7,2 por cento se consideram mais interessados na prática religiosa do que seus pais.  
Assistência Deficiente
     Os centros de adoração estão a perder a sua audiência semanal. Segundo o inquérito, apenas 18 por cento dizem que assistem a um culto religioso - sem ser um evento social como um casamento - uma vez por semana. 13 por cento fazem-no uma vez por mês. Os que vão uma vez por ano somam 14 por cento. Os restantes 52 por cento, mais de metade da população, "nunca" vai a um culto religioso.   Quanto às confissões, a maioria define-se "católica", com 82 por cento. Segue-se a percentagem da população evangélica (0,5 por cento) e muçulmanos, com percentagem semelhante ( 0,5). Destaca-se o facto de que 14,4 por cento da população não se identifica com nenhuma igreja ou religião.  
Educação e Família
      A pesquisa continua inquirindo os padrões de educação na família, para ver se eles querem seguir (ou têm seguido) preceitos religiosos. 57 por cento admitem ter educado ou quererem educar no futuro os seus filhos seguindo os preceitos de uma confissão religiosa. Quase 40 por cento, no entanto, não educa (nem educou) os seus filhos numa religião.
     "Os contrastes geracionais são ainda mais acentuados quando se olha para as taxas de reprodução de educação religiosa na família", disse Carolina Bescansa. Pois, embora "a grande maioria sejam os que têm educado ou querem educar os seus filhos seguindo os preceitos de uma confissão, esta distribuição é revertida e até mesmo acentuada quando vemos os resultados do indicador no grupo com menos de 35 anos."
      De facto, entre os jovens, a proporção daqueles que educariam ou educaram os seus filhos de acordo com critérios religiosos diminui para 36%, enquanto a proporção dos que não educaram ou não educariam os seus filhos de acordo com critérios religiosos cresce para 61%.
     Surpreendentemente, há diferenças marcantes entre umas confissões e outras. Enquanto os católicos e os muçulmanos têm taxas mais baixas na educação religiosa familiar, as famílias evangélicas e as não crentes têm "altas taxas de reprodução " (88 e 89 por cento, respectivamente). Deste relatório afirma-se que estes dados permitirão hipóteses específicas para saber se esta é em si uma tendência em relatórios futuros.
      Esta pesquisa , que vai na sua segunda edição, avança-se nas informações sobre algumas tendências já identificadas no primeiro relatório, feito em 2011, e também lança luz sobre novas questões não abordadas anteriormente, tais como a gestão municipal do ato religioso ou garantias de liberdade religiosa.
      José Manuel López Rodrigo, diretor da Fundação para o Pluralismo e Convivência, entende que "é essencial conhecer as opiniões e atitudes da população em relação à religião", e por outro lado, a eficácia de "a implementação de uma política de gestão da diversidade religiosa ajustada no quadro constitucional que rege o exercício do direito de liberdade religiosa na Espanha e que seja inclusiva e conte com apoio social".
     Esta pesquisa visa "conhecer em profundidade as opiniões da sociedade espanhola em relação à religião na sua dimensão de convivência." Portanto, são perguntas sobre questões práticas, tais como a criação de um local de culto no bairro, o uso de locais públicos para atividades religiosas, ou a presença de espaços de culto em hospitais e prisões.
     Foram realizadas 1725 entrevistas no total de 245 municípios de toda a geografia espanhola. Carolina Bescansa Hernandez, diretora da pesquisa compartilha o final das suas conclusões com o estudo, considerando que " ajudam-nos a conhecer em profundidade os pontos de vista da sociedade espanhola para a questão da religião na sua forma mais convivial".

Postado Por José Silva quinta-feira, outubro 10, 2013. em . Faça um comentário, que ficaremos felizes! .

0 comentários for "Aumenta o secularismo em Espanha"

Leave a reply

Obrigado pelo comentário!
Que Deus lhe abençõe!

Gostou! Curta-nos