Headlines
Published On:terça-feira, 23 de abril de 2013
Postado Por José Silva

Estudioso diz que Igreja Universal presta um “desserviço à fé cristã”


O pastor batista David Allen Bledsoe, 44, nasceu no EUA mas vive no Brasil desde 1998. Possui um doutorado em Teologia, além de formação em Administração e Engenharia. Ele fez uma extensa pesquisa sobre a Igreja Universal do Reino de Deus. Passou três anos lendo sobre o assunto, frequentando cultos da IURD, entrevistando fiéis e líderes. Seu material foi publicado no livro Movimento neopentecostal brasileiro: um estudo de caso, da Editora Hagnos.
Segundo o autor, o trabalho pretende colaborar com a Igreja brasileira: “Há poucos estudos que analisam os ensinos e abordagens neopentecostais com parâmetros evangélicos, sob uma perspectiva missiológica. Eu queria verificar
se igrejas como a Universal impulsionam ou prejudicam a evangelização do povo brasileiro e de outras nações para onde suas igrejas enviam missionários”.
Morando atualmente em Belo Horizonte (MG) com a mulher e os dois filhos, Bledsoe deu uma entrevista à revista CRISTIANISMO HOJE, onde fez declarações contundentes.
“Escolhi a Igreja Universal como foco porque ela é a manifestação neopentecostal mais reconhecida no país. Além disso, comecei a me preocupar mais com os membros das igrejas neopentecostais em relação ao seu entendimento da salvação. Percebi um problema grave através de conversas com eles – encontrei muitas pessoas sinceras e fervorosas, mas com dificuldades em articular uma razão para sua salvação que se baseasse na fé evangélica”, explica o pesquisador.
Para ele, as denominações neopentecostais como a Igreja Universal causam sérios danos à evangelização no Brasil. Ele aponta alguns motivos para isso: “primeiro lugar, porque projetam uma caricatura de Cristianismo diante da sociedade. Segundo, porque essas organizações religiosas são muito antropocêntricas e pouco centradas em Cristo – ao contrário, há uma forte ênfase no diabo, no poder maligno”.
Como o pesquisador acredita que “é raro ouvir um adepto desse movimento que faça menção ao nome de Jesus para a base de sua salvação”, sua conclusão é que a Igreja Universal não é uma denominação evangélica. Principalmente por que “propaga uma mensagem distorcida do Evangelho, prendendo seus adeptos em uma cosmovisão religiosa popular, em vez de libertá-los dessa artimanha diabólica. Ela também emprega rituais religiosos narcisistas e animistas. Outra característica que a desqualifica como evangélica é que não promove laços fraternais esperados para uma igreja baseada no Novo Testamento”.
O pastor batista assevera que a IURD tem uma postura característica das seitas, “agindo com aversão e superioridade para com os outros grupos. Isso, sem falar na exploração de seus fiéis, tratando dízimos e ofertas como um ato quase sacramental”.
Sendo assim, as denominações neopentecostais de mesmo perfil, como a Igreja da Graça e a Igreja Mundial do Poder de Deus seriam, para ele, “grupos religiosos populares que saíram do pentecostalismo brasileiro, mas que não tiveram continuidade em áreas fundamentais para serem incluídos no campo evangélico”.
Mas reconhece que a igreja liderada pelo bispo Edir Macedo “cresce no meio de múltiplos escândalos… mesmo diante de seu declínio revelado no último Censo…  A Universal é associada, na mente do brasileiro, à Rede Record, a catedrais bonitas em regiões nobres de grandes cidades e a uma voz de peso em várias camadas da política nacional”.
Em relação ao futuro, Bledsoe acredita que essas igrejas continuarão existindo por um motivo simples: “Sempre teremos pessoas com problemas físicos, econômicos, conjugais e outras crises para superar. Além disso, o brasileiro é naturalmente místico, o que supera a visão racional das coisas. As pessoas encontram ali um serviço especializado, baseado em lemas como “pare de sofrer” ou “aqui o milagre acontece”.
O estudioso norte-americano defende que falta às igrejas evangélicas uma identidade doutrinária que possa deixar claro sua diferença das neopentecostais como a IURD, IMPD, Graça e outras. Por isso as igrejas que possuem preocupação com a necessidade de se estudar a Bíblia e estabelecer doutrina claras, acabam se perdendo em meio ao crescente número de prédios que ostentam placas dizendo ser uma igreja evangélica.
“A igreja é um grupo, mas nem todos os grupos são igrejas”, resume.

Postado Por José Silva terça-feira, abril 23, 2013. em . Faça um comentário, que ficaremos felizes! .

0 comentários for "Estudioso diz que Igreja Universal presta um “desserviço à fé cristã”"

Leave a reply

Obrigado pelo comentário!
Que Deus lhe abençõe!

Gostou! Curta-nos