Headlines
Published On:quarta-feira, 25 de abril de 2012
Postado Por José Silva

QUANDO DEUS OUVE O NOSSO GEMIDO NO CÉU


Texto Sl. 12.5
“Por causa da opressão dos pobres e dos gemidos dos necessitados, me levantarei agora, diz o SENHOR; porei em salvo aquele para quem eles assopram”.

Introdução

Viver sem qualquer problema é mais do que um desejo do ser humano, é uma necessidade vital para todos. Precisamos entender que não estar doente no físico não quer dizer que a pessoa esteja saudável. Saúde é mais do que apenas não estar enfermo na carne. Enfermidade é tudo aquilo que debilita ou produz fraqueza, desvio do estado normal, incômodo, inquietação ou aborrecimento. Toda enfermidade produz dor. Sabemos que as feridas físicas no corpo doem bastante. As feridas emocionais, essas também, doem bastante!. Só que às vezes damos mais importância para as feridas do corpo, do que com as feridas da alma, talvez porque as feridas físicas são portas para infecções.

E o que dizer do gemido da alma?. É delas que quero falar nessa mensagem. Gemido é um lamento doloroso, um som inarticulado. No sentido bíblico, é alguém estar sofrendo uma tristeza muito profunda, quase sem nenhuma esperança humana de socorro. Os gemidos da alma são aquelas que doem mesmo quando não vemos o machucado; quando o que causou a ferida não está mais presente; e o silencio da noite é o momento que mais a incomoda; ela rouba a paz e a alegria de viver. Às vezes elas nos tiram o sono, dói o peito; doem os olhos; dói o coração. Para provocar os gemidos da alma, primeiro surgem as feridas da alma. Elas são causadas por injurias, desamor, indiferença, incompreensão. Pode ser causada também pela perda de alguém especial na nossa vida, por mágoa, por decepção; ou por traição de pessoas especiais. 

As feridas na alma é um dos grandes males dentro das nossas igrejas. Ela lança a pessoa na penumbra da vida. Tira o ânimo de viver e gera um forte sentimento de rejeição. Esvazia a alegria da vida. Aniquila os sonhos. Ela obscurece a mente e o emocional. Transforma o coração em chumbo e a alma em aço. Fragilizam as nossas emoções matando os nossos sentimentos!. A cada dia, a caverna se torna mais profunda. Aí podemos observar duas coisas importantes: 1º) Elas são reais, por isso nos abatem e nos perturbam, e enquanto não forem curadas, estarão interferindo nas nossas vidas cristãs. 2º) Elas tem seu tempo. Deus é o dono do tempo, portanto precisamos aprender a confiar e a descansar no Senhor, para que possamos sarar nossos sentimentos e curar nossas feridas emocionais. 

Não temos dúvidas que Cristo cura; o Senhor é o nosso médico (Sl.103.3). Deus não deseja o nosso sofrimento. Sua vontade está claramente expressa na Sua Palavra (Dt.7.15). Mesmo com a alma gemendo, não podemos jogar a toalha!. A alma grita querendo nos dizer que a vida tem que ser vivida com garra, com coragem, com perseverança. Deus não abençoa as intenções, mas as ações!. Então por que deixar a alma se abater, gemer, se abalar, quando temos um Deus que pode todas as coisas?.

O GEMIDO DE ANA - No livro de I Samuel cap. 1 - encontramos um exemplo que fala bem disso. Trata-se de uma família piedosa que três vezes por ano, ia ao templo para adorar. Mas era uma família dividida. Um lar em pé de guerra!. Elcana tinha duas mulheres que se chamavam Ana e Penina. Elas deveriam ser companheiras, mas se viam como concorrentes, porque Penina tinha vários filhos, enquanto Ana, nenhum!. Ana sentia-se frustrada e envergonhada, por causa disso, Penina aproveitava-se daquela situação para irritar e humilhar Ana. 

Ana reconheceu que era incapaz de resolver seu problema mais sério: o de esterilidade. Então o que ela fez?. Ela sabia que precisava tomar uma atitude diante daquela situação humilhante. Foi então que resolveu buscar ajuda no lugar certo. Durante uma festa em Siló, onde todos estavam felizes, Ana consumida pela sua tristeza, deixou sua família e foi até o templo orar. Ana fez uma oração de desabafo, uma oração que vinha do fundo da sua alma. Era a oração de um coração cheio de tristeza e sofrimento, por isso Ana derramou sua alma perante o Senhor. Ela se colocou no divã de Deus!. E Deus ouviu tudo!!. 

Ana colocou toda a sua dor, todo seu ressentimento, toda sua ansiedade, toda sua inquietação para fora. A bíblia diz que “Ana com amargura de alma orou ao Senhor e chorou abundantemente” (v.10). O choro e o gemido da sua alma subiram diretamente até a Sala do Trono de Deus. Podemos imaginar como o gemido da alma de Ana se manifestava no seu dia a dia. Sua alma deveria estar cheia de angústia, de dor, de desespero por um milagre. Quem sabe quantas vezes no meio do silencio da noite Ana chorou mal conseguindo levantar a sua voz.

Ana queria ser curada das dores da alma, das dores que lhe assombravam por ser estéril, das dores da humilhação, de dividir seu marido com outra, de ouvir as ofensas de sua rival, e até do dia que foi mal compreendida pelo sacerdote. Assim como Ana fez, devemos também por nossos gemidos, nossas dores, nossa solidão, nossa amargura, nossa ira, nossa tristeza, no Altar de Deus. Os gemidos as alma de Ana foram ouvidos no céu. Deus foi até ela para satisfazer as suas necessidades, dar conforto e consolar sua alma. E Ana teve seu primeiro filho, porque o Senhor lhe abrira a madre. Somente Deus é capaz de realizar nossos sonhos, dar alívio, apoio e encorajamento. Quando oramos ao Senhor com fé, depositamos todos os nossos problemas a seus pés, então devemos mudar nosso semblante e deixar o mundo ver em nós um brilho que vem de um coração transformado por confiar em Deus. Isso é FÉ!. Ana nunca mais foi a mesma!. 

O GEMIDO DE AGAR - No livro de Gênesis encontramos outra história fascinante. A bíblia fala de Sara e Agar. Sara era a patroa e Agar a escrava. Como escrava, ela não tinha direitos. Agar não tinha parentes, pessoas que ficassem do seu lado, não tinha ninguém que a defendesse, ou que a aconselhasse. Mas ela tinha Deus que olhava e cuidava dela!. Muitos de nós nos sentimos assim: sozinhos, desamparados, sem direito a nada!. Mas somos filhos amados de Deus, e como filhos, temos um Pai que nunca deixa de cuidar de nós!.

Quando nasceu Isaque, o filho de Sara e de Abraão, a coisa mudou!. A partir deste dia, surgiu da parte de Ismael um ciúme tal que ele zombava constantemente de Isaque, o que acabou irritando Sara. Deus sabia que era melhor que Agar e Ismael se separassem de Abraão. Nem por isso o Senhor desamparou os dois, pois eles permaneceram na sua Presença e sob seus cuidados. Foi um dia triste, um momento angustiante!. Agar e Ismael partiram em direção do deserto de Berseba andando sem saber direito para onde ir (Gn.21.14).

Ao longo da vida, Agar tinha experimentado o preconceito como estrangeira, a miséria e o abuso como serva, o sofrimento e o abandono como mãe solteira e o desespero em duas ocasiões, quando enfrentou a morte iminente. Apesar de todas essas dificuldades, Deus tinha promessas para Agar, e não a desamparou. Não obteve ajuda de Abraão e de Sara, mas de Deus. Sua vida não foi fácil, mas Deus a recompensou. Foi no Deus que tudo vê e ouve que Agar encontrou refúgio e vida. 

Amado, você já se sentiu desprezado, sem esperança, achando que não dava mais para continuar vivendo e que tinha chegado o seu fim?. Agar e Ismael devem ter se sentindo assim! Abandonado, desprezado, fracassado e com a fé abalada. Mas Deus estava olhando todos os passos dados por Agar e Ismael. E o que Deus fez por eles?. Ajudou-os nos seus momentos de maior desespero e aflição.

Agar sem água para beber, afastou-se do seu filho, por não querer vê-lo morrer. Agar senta-se distante, sem forças, e chora desesperada. Uma voz angustiada que parecia quem estava esperando a morte vir ao seu encontro. Mas foi aí que Deus entrou em ação!. Um Anjo do Senhor aparece para Agar, e diz a ela que Deus tinha ouvido o choro do desespero, o grito da alma de uma mãe e de seu filho no meio daquele deserto. O Anjo do Senhor viera para livrar Agar e Ismael da morte.

Não importa o lugar de onde possa vir o grito da alma, DEUS OUVIRÁ!. O Senhor abriu os olhos de Agar e ela viu o poço de água que podia salvar seu filho e sua própria vida acabando com o desespero que estavam vivendo!. Deus cuidou de Agar e Ismael levando-os para uma terra preparada para se tornar uma nova nação. 

O GEMIDO DE JÓ - O livro de Jó começa dizendo que ele era um homem justo e temente a Deus (1.1.8) e o mais importante de todos do Oriente (1.3). Repentinamente uma série de grandes calamidades destruiu seus bens, seus filhos, suas filhas, e sua saúde. Só não perdera sua vida, sua esposa, e sua confiança no Senhor. Jó ficou totalmente desorientado com tantas coisas ruins acontecendo ao mesmo tempo. Ele sabia que não tinha como reclamar sua miséria, exigir seus filhos de volta, seus animais, sua casa, seus empregados e sua saúde.

Jó jamais sonhou com uma tragédia desta acontecendo na sua vida. Perder tudo como ele perdeu, levaria qualquer um à loucura. Mas Jó foi lutando, se arrastando, e conseguiu resistir até o fim!. O diabo pensava que Jó iria se acabar no primeiro capítulo, só que para o desgosto do diabo, Jó conseguiu chegar até ao capítulo quarenta e dois!. Jó tinha um Deus Grande, que cuida dos Pequenos!. Quantas noites Jó, sozinho não deixou a tristeza e o desespero, tomar conta do seu coração?. 

Queridos, Jó não tinha nada de belo ao seu redor, pois diante dos seus olhos todos os seus sentimentos de paz, carinho, amor, ternura tinham sidos roubados!. Sentia sua vida se esvaziando toda vez que olhava para aquelas feridas tomando conta do seu corpo. Na sua mente vinha o pensamento que passaria o resto da sua vida naquela situação. Quantas vezes Jó não se deixou escorregar pelas tristezas, pelas angústias, pela solidão, pela dor e pela aflição, quando se lembrava de seus filhos, do seu lar, do convívio em família, e dos belos dias no campo!. Jó pranteava sentindo as dores das feridas, do silencio do abandono, e da miséria que estava vivendo. 

Deus no céu via, ouvia, e chorava com Jó. Deus ouvia seus gemidos de dores todos os dias; gemidos que partiam de um coração perturbado e humilde. Apesar da angústia e da dúvida que Jó estava vivendo, ele ainda era um homem de fé inabalável. Embora sua alma não parasse de gritar, ele cria na bondade, no amor e no poder de Deus para enfrentar os desafios mais severos da sua fé. O que aconteceu com Jó depois disso?. O livro nos leva anos adiante e comenta que todos os sinais da bênção divina foram restaurados. A família e os amigos voltam para confortá-lo. A riqueza de Jó, em rebanhos, foi duplicada. Jó torna-se duas vezes mais abastado que antes. Cria mais dez filhos, volta a ser honrado por todos. Vive uma vida com final feliz e vê seus descendentes até a quarta geração (v.10-17). Jó experimentou a plenitude das bênçãos de nosso Deus, e o Senhor fez cessar todos os seus gemidos!. 

O GEMIDO DE BARTIMEU - O texto nos mostra o desespero e a aflição de um homem cego de nascença. Ele ouve que Jesus estava passando próximo dele, então ele grita clamando por socorro. Jesus parou ao ouvir o clamor de Bartimeu (Mc.10.47-49). Jesus não passou por longe nem fez que não o tivesse escutado. Jesus passou proposidamente perto onde estava Bartimeu. Era alguém que estava em trevas, em desespero, sem esperança, alguém necessitando de ajuda, alguém sem direção. Além de cego, era desprezado, desempregado, falido, excluído da sociedade, arruinado e mendigo!. Como você acha que a alma desse pobre homem se sentia?. Por isso, ninguém conseguiu amordaçar a boca de Batimeu, nem abafar a sua voz!. 

Era o clamor de Bartimeu. Clamor é esse grito da alma buscando uma resposta que o homem não pode dar, o dinheiro não pode comprar, e que a inteligência não sabe onde encontrar. Interessante que até os discípulos serviram de pedra de tropeço para impedir o encontro dele com Jesus!. E Jesus fez questão de ir ao encontro desse homem!. Bartimeu sabia que para Jesus não havia o impossível, ele conhecia bem a fama de Cristo. Sabia que o impossível para os homens, era possível para Jesus. Bartimeu tinha a convicção que Jesus restauraria a sua visão!. 

Amados, da mesma maneira que Jesus atentou para a súplica, a indignação, e o gemido de Bartimeu, o Senhor também tem interesse em lhe tirar da sua angustia, do seu sofrimento, da sua ânsia, da sua agonia e do seu tormento. Talvez existam algumas coisas na sua vida que são impossíveis aos seus olhos. Os maiores problemas ainda continuam lhe atormentando. 

Por isso, faça como Bartimeu, faça ecoar o gemido da sua alma, grite bem alto. Chame a atenção do Senhor com os seus gemidos. O Senhor com certeza, irá até o seu encontro. Jesus não quer que você permaneça na escuridão, Ele quer mudar a sua condição de vida, dando solução para o seu problema!. O Jesus que ouviu o gemido da alma de Bartimeu, também ouvirá o seu. É o teu milagre chegando!.

Conclusão

Queridos, o mundo está cheio de pessoas com a alma chorando, gemendo, gritando por socorro. É a expectativa da espera que alguém possa vir ajudar, aliviar, consolar. São clamores de corações que ardentemente esperam ser ajudadas pelos filhos de Deus. Podemos ouvi-los debaixo das pontes, dentro de hospitais, em mães que tem seus filhos drogados, em lares destruídos, nas pessoas doentes e em fase terminal. Podemos ficar parados, viver nossa vida tranqüila, não nos envolvermos, fechar nossos ouvidos ou fazer como Jesus nos deu exemplo: “alegre-se com os que se alegram e chore com os que choram” (Rm.12.6).

Qual é a nossa resposta diante desses gemidos?. Está na hora de afinar os nossos ouvidos para os gemidos de cada esquina, dos nossos parentes, dos nossos amigos, dos nossos irmãos, da nossa rua, dos nossos adolescentes, dos nossos jovens, dos nossos idosos, dos nossos casais, da nossa cidade, do nosso estado, da nossa nação, do nosso mundo!. Foi assim que Jesus nos ensinou!. O exemplo de estarmos envolvidos dando o nosso testemunho, de orarmos por eles, gastar o nosso tempo levando uma palavra de conforto para todos os corações quebrantados.

Você já foi num hospital?. Entrou num Pronto Socorro?. Num leprosário?. Pois é, lá podemos encontrar todos os tipos de gemidos. E nós como igrejas do Senhor podemos manifestar a graça de Deus para todas essas almas que gritam buscando uma resposta, uma saída para os seus gemidos. Podemos nos lembrar de Agar, de Ana, de Jó, de Bartimeu, e tantos outros!. Todos os gemidos da alma deles foram ouvidos por Deus. Todos eles receberam resposta de Deus. Que o nosso coração possa ser tão sensível quanto o de Jesus quando ouvirmos os clamores se manifestarem em nossa direção. Será que Jesus pode contar com o seu?. Creio que sim!.

Que a graça de Jesus Cristo permaneça em sua vida para sempre. Amém. 


fonte:portal webservos

Postado Por José Silva quarta-feira, abril 25, 2012. em . Faça um comentário, que ficaremos felizes! .

0 comentários for "QUANDO DEUS OUVE O NOSSO GEMIDO NO CÉU"

Leave a reply

Obrigado pelo comentário!
Que Deus lhe abençõe!

Gostou! Curta-nos