Headlines
Published On:sábado, 24 de agosto de 2013
Postado Por José Silva

Vale a pena se casar... ou talvez não?

Vale a pena se casar? Se você se casa para amar e viver enamorado, certamente. Como não vai valer a pena triunfar na vida? Mas se você se casa por uma outra coisa ou por uma outra razão, não ..

Tomás Melendo é partidário do amor. E em seu artigo se permite o luxo de desenvolver deliciosamente sua argumentação de pensador e de homem vivido sobre a estreita relação entre enamorar-se e casar.

Mas o fato é que de amor e de se enamorar todo mundo sabe. Por isso fiz uma prova muito curiosa: perguntei a meus filhos, como quem não quer nada e a cada um separadamente, o que é se enamorar para você? A um enquanto estava no Facebook, a outro enquanto vestia o pijama, a outra, quando ia falar às escondidas no telefone, a outro, chamando-o como para pedir algo e soltando a pergunta à queima roupa... Assim, sem muita reflexão e sabendo onde eu queria chegar, não leram nenhum tratado sobre o amor, nem nada semelhante.

E, oh surpresa! Suas respostas parecem as conclusões do artigo de Tomás Melendo:

Minha filha de 16 anos: - Enamorar-se é gostar de uma pessoa com quem você se sente bem, sabe que ela está sempre aí, gosta de você e vê um futuro com ela.

Meu filho de 15: - Entregar a vida à pessoa que você ama.

Meu filho de 13:- É quando alguém não lhe sai da cabeça.

Meu filho de 10: - É sentir algo por alguém.

- Algo bom ou mau? - pergunto.

- O que pode ser? - claro que é bom!

Meu filho de 6 anos: - Enamorar-se é casar.

E minha conclusão: que se enamorar é uma questão que se tem muito clara antes que a televisão, a rua ou a má vida a turvem miseravelmente. Por isso, desde o princípio dos tempos, as pessoas têm procurado se casar com alguém com quem valha a pena viver.



Vale a pena casar-se?

Para quê?

Muitos jovens afirmam hoje que não vêem razão alguma para contrair matrimônio. Amam-se, e nisto eles encontram uma justificação de sobra para viverem juntos. Considero que estão errados, mas os compreendo perfeitamente.

É que as leis e os hábitos sociais tiraram todo o sentido do matrimônio:

a) por um lado, a admissão do divórcio elimina a confiança de que se lutará para manter o vínculo;

b) por outro, a aceitação social de “namoros” extramatrimoniais, considerados quase como uma “necessidade”, para não dizer um “direito”... ou um “dever”, suprimem a exigência da fidelidade;

c) e, finalmente, a difusão massiva e indiscriminada de contraceptivos, unida à afirmação de sua total inocuidade – espiritual, psíquica e física –, desprovê, de relevância e valor, os filhos.

O que resta então, da grandeza da união conjugal? O quê, da arriscada aventura que sempre tem sido? Com que objetivo “passar pela igreja ou pelo juiz”?

Vistas assim as coisas, a quem afirma a absoluta primazia do amor, teria que começar por lhes dar razão, para depois fazê-los ver algo de capital importância, que outras vezes apontei: é impossível o casal se amar, a sério, sem estar casados.

Fazer-se capaz de amar

O que acabo de afirmar é bem certo, embora possa suscitar certa admiração. Em todos os âmbitos da vida humana, é preciso aprender e se capacitar. Por que então não se faz isso no amor, que é a parte mais gratificante, decisiva e difícil de nossas atividades? Jacinto Benavente afirmava que “o amor tem que ir à escola”. E é verdade. Para poder amar de verdade é preciso se exercitar, da mesma forma, por exemplo, que é preciso treinar os músculos para ser um bom atleta.

Pois bem, as bodas capacitam para amar de um modo real e efetivo.

Nossa cultura não entende o matrimônio: contempla-o com uma simples cerimônia (quanto mais luxuosa e extravagante, melhor), um contrato rescindível, um compromisso...

Algo que, sem ser falso, torna-se demasiado pobre.


Em sua essência mais íntima, as bodas constituem uma expressão refinada de liberdade e amor. É, sim, um ato profundíssimo, inigualável, pelo qual duas pessoas se entregam plenamente e decidem se amar por toda a vida. É o amor dos amores: amor sublime que, em primeiro lugar, “redime” meu passado; e, além disso, e, sobretudo, me permite “amar bem”, como diziam nossos clássicos: fortalece minha vontade e habilita-a para querer em outro nível: situa o amor recíproco numa atmosfera mais alta.

Por isso, se não me caso, se excluo este ato de doação total, estarei impossibilitado de amar realmente meu cônjuge; como aquele que não treina ou não aprende um idioma não é capaz de falá-lo.

À sua jovem esposa que lhe escreveu: “Você me esquecerá, a mim que sou uma provinciana, entre suas princesas e embaixatrizes?”, Bismarck respondeu: “Você se esquece de que eu a esposei para amá-la?”

Estas palavras encerram uma intuição profunda: o “para amá-la” não indica uma simples decisão de futuro, inclusive imutável; equivale, no fim das contas, a “para poder amar” com um amor autêntico, supremo, definitivo... impossível sem o mútuo entregar-se do matrimônio, sem se casar.

Casar-se ou “conviver”

Não se trata de teorias. Tudo o que acabo de expor tem claras manifestações no âmbito psíquico.

O ser humano só é feliz quando se empenha em algo grande, que, efetivamente, compense o esforço. E o mais impressionante que um homem ou uma mulher podem fazer na terra é aprender a amar.

Vela a pena dedicar toda a vida a amar cada vez melhor e mais intensamente, porque só para isso viemos a este mundo.



Daí que, na realidade, essa seja a única coisa que merece nossa dedicação: tudo o mais deveria ser apenas um meio para consegui-lo; “Ao entardecer de nossa existência – repetia são João da Cruz – seremos julgados pelo amor”.

E por nada mais! Acrescento eu: tudo o que em minha vida eu não transformar em amor, é inútil, vão e, inclusive, prejudicial.

Pois bem, quando me caso, estabeleço as condições para me consagrar sem reservas à tarefa de amar. Pelo contrário, se simplesmente vivemos juntos, e mesmo que não seja consciente, terei que dirigir todo o esforço “para defender as posições” alcançadas, para não perder o conquistado ou a conquistada, para outro ou outra.

Tudo, então, se torna inseguro: a relação pode se romper a qualquer momento. Não tenho certeza de que o outro vai se esforçar seriamente em me amar, em dividir as alegrias e superar os atritos e conflitos do trato quotidiano: por que haveria eu de fazê-lo? Não posso baixar a guarda, relaxar-me, mostrar-me de verdade como sou, porque minha mulher pode descobrir os meus defeitos “insuportáveis” e decida que “vamos parar por aqui”. Ante as dificuldades que com certeza surgirão, a tentação de abandonar a empresa se apresenta muito imediata, uma vez que nada impede esta deserção.

A simples convivência cria um clima psíquico que faz perigar o objetivo fundamental e entusiasmante do matrimônio: aumentar, intensificar e melhorar o amor e, com ele, a felicidade.

Amor ou “papéis”?

Tudo isso parece avalizar a afirmação de que “o importante” é querer-se. E é verdade!

O amor é efetivamente o importante. Esta idéia não nos deve dar medo. Entretanto, já expliquei que não pode haver amor de verdade sem doação mútua e exclusiva, sem se casar.



Os papéis, o reconhecimento social não são de modo algum o importante; mas com relação à confirmação externa da mútua entrega, tornam-se imprescindíveis.

Por quê?

Do ponto de vista social, porque meu casamento tem repercussões civis claras, que aumentam mais ainda com a chegada dos filhos; a família compõe ou deveria compor a chave do ordenamento jurídico e o fundamento da saúde de uma sociedade; é indispensável, portanto, que haja certeza de que outra pessoa e eu decidimos mudar de estado e criar uma nova família.

Mas, sobretudo, a dimensão pública do matrimônio, a cerimônia religiosa e civil, a festa com familiares e amigos, as participações do acontecimento, anúncios nos meios de comunicação – melhor se puder ser na televisão! – tudo deriva da enorme relevância que deve ter para os cônjuges, o que estão realizando. Se isto vai mudar radicalmente minha vida, fazê-la melhor, se vai me permitir algo que é uma autêntica e maravilhosa aventura, gostarei de que todos ou, ao menos, os autênticos amigos saibam, assim como apregôo com grande alarde as outras boas notícias.

Igual, não.

Muito mais, porque não há nada comparável a se casar: coloca-me numa situação inigualável para crescer interiormente, para ser uma pessoa melhor e tremendamente feliz (aquele que não acreditar....que faça a prova com seriedade).

Como não divulgar, então, a minha alegria?

Antecipar o futuro?

É verdade que, à vista do exposto, muitos se perguntam: como posso eu me comprometer a algo para toda a vida, se não sei o que me espera? Como posso ter certeza de que escolhi bem meu par?



Trata-se de uma pergunta típica dos dois últimos séculos, nos quais o desejo de segurança transbordou além do propriamente humano – às vezes com repercussões psíquicas inclusive graves – e, apesar das declarações contrárias, de modo inverso ao apego real pela liberdade, que sempre leva consigo algo de risco.



A única resposta possível, que dou sempre que me fazem publicamente esta pergunta, é: “de modo algum”. “não há nenhum modo de saber”, “o futuro é... o futuro”; indefinível por natureza, com a permissão dos “adivinhadores de plantão”, ainda que já sejam tantos, e o do turno mais utópico; eles nos assediam por todos os lados e a todo o momento.

Ao que acrescento, antes que o auditório desapareça, que para isso aí está o namoro, um período muito bom, que oferece a oportunidade de conhecimento mútuo e de começar a entrever como será a vida em comum.

Depois, se sou como devo, já sei suficientemente o que acontecerá quando me casar: sei, na realidade, que vou colocar todo o esforço para amar a outra pessoa e procurar que ela seja muito feliz. E se tiver sido um propósito sério, se tivermos sido prudentes e nos conhecemos o bastante, isso será compartilhado pelo futuro cônjuge: o amor chama o amor. Podemos, portanto, ter certeza de que vamos tentar por todos os meios. E então, é muito difícil, quase impossível, que o matrimônio fracasse.

Observar e refletir

Certamente, esta decisão radical de entrega não basta para dar um passo de tanta transcendência. É preciso considerar também alguns traços do futuro cônjuge.

Quais?

Em primeiro lugar, por pura honestidade, devo avisar que a viabilidade de um matrimônio nunca pode ser conhecida tendo-se relações íntimas antes ou em lugar das bodas; como em seguida veremos, por mais que se choque contra o costume e as pretensões gerais, a situação que aí se cria é tão artificial, tão profundamente diferente do que um matrimônio sustentará, que não existe modo pior de avaliar se devo ou não casar com aquela pessoa.

Os traços que deveriam ser levados em conta são sempre outros. Por exemplo, se “me vejo” vivendo durante o resto dos meus dias com aquela pessoa, inclusive quando estiver sem se arrumar, ronque ou lhe cresçam os “pneusinhos” na barriga; também e antes, como age em seu trabalho e com seus colegas, como trata sua família, seus amigos; se sabe controlar seus impulsos, incluindo os sexuais; porque, do contrário, ninguém me assegura que será capaz de fazê-lo quando estivermos casados e se apaixone por outro ou por outra; se gostaria que meus filhos se parecessem com ele ou com ela (que horror!)... porque de fato quer eu queira ou não, vão se parecer; se sabe estar mais atento ao meu bem ( e de seu bem real, por mais que lhe custe) que de seus simples e quase inacabáveis anseios...

Em resumo:

a) Não fazer o menor caso do que promete.

b) Escutar - com todo romantismo que deseje, mas como quem ouve chover – o que me diz.

c) Prestar muita atenção ao que parece que é.

d) Mas principalmente ao que efetivamente faz e como se comporta.

e) E conceder um peso absoluto à sua maneira de agir... justo quando não está comigo, uma vez que quando nos vemos, os dois nos encontramos dispostos naturalmente – sem a menor malícia – a agradar, uma vez que se trata do momento mais esperado do dia, no qual ambos podemos e queremos dar o melhor de nós mesmos.


Pelo contrário, se em sua casa, com seus amigos, com seus colegas de trabalho, comporta-se como um ou uma egoísta, ou como um ou uma déspota, se não leva em conta os desejos e o bem real dos que a ou o rodeiam, quem pode me assegurar que não vai acabar assim ... também na cama?



Relações antimatrimoniais

E aqui se deve considerar uma das questões mais decisivas e sobre a qual impera maior confusão. A necessidade de se conhecer, de saber se um e outra combinam, não aconselha viver juntos um tempo, com tudo que isto implica?

Trata-se de um assunto muito estudado e sobre o qual se vai lançando uma luz cada vez mais clara.

Um bom resumo do status quaestionis seria o seguinte: está estatisticamente comprovado que a convivência antes do matrimônio nunca produz efeitos benéficos: nunca!

Por exemplo:

a) os divórcios são muito mais frequentes – parece que o dobro – entre os que conviveram antes de contrair matrimônio;

b) as atitudes dos jovens que começam a ter trato íntimo pioraram notavelmente e a olhos vistos, desde este momento; tornam-se mais possessivos, mais ciumentos e controladores, mais desconfiados e resmungões, inclusive mais desagradáveis.

Mas por quê?

A causa, ainda que profunda, não é difícil de intuir. O corpo humano é, no sentido mais profundo da palavra, pessoal; e talvez muito especialmente em suas dimensões sexuais. Em consequência, a sexualidade deve falar um único idioma: o da entrega plena e definitiva.

Mas, nas circunstâncias que estamos considerando, esta total disponibilidade se torna contraditória pelo coração e pela cabeça que, com maior ou menor consciência, a rejeitam, ao evitar um compromisso com a vida.

Surge assim uma ruptura interior em cada um dos namorados, manifestada psiquicamente por um obsessivo e angustioso afã de segurança, cortejado de receios, temores, rancores e suspeitas, que acabam por envenenar a vida em comum.

Por outro lado, como consequência do anterior, um e outra começam a sentir-se mal... e buscam de novo “estar juntos” como meio para evitá-lo; o mal estar se acalma momentaneamente, enquanto duram as relações, para logo crescer com mais força, “estar outra vez mais juntos”, aumentar o aborrecimento persistente, numa espécie de espiral fatídica que culmina, quase sempre, com a separação...que é pior se não é definitiva!

Daí que, ao contrário do uso habitual, a este tipo de relações eu prefira chamar “anti ou contra-matrimoniais”.



Para se conhecerem de verdade

Por outro lado, também é ingênua a pretensão de decidir a viabilidade de um matrimônio pela “capacidade sexual” de seus componentes: como se toda uma vida em comum dependesse ou se pudesse sustentar em uns atos que, em condições normais, somam uns poucos minutos por semana!

Mas é que a melhor maneira de conhecer o nosso futuro cônjuge neste âmbito, consiste, como antes sugeri, em observá-lo nos outros aspectos de sua vida, e talvez, principalmente, nos que se relacionam diretamente conosco: refletir sobre o modo como se comporta em seu lar, trabalho ou estudo, com seus amigos ou conhecidos... e com os “inimigos”, pois em algum momento de nossa vida matrimonial seremos considerados como tais, etc.

Pois se nessas circunstâncias é generoso, afável, paciente, serviçal, terno, desprendido... pode estar certo, sem ter medo de se enganar, que certamente esta atitude será a mesma na vida cotidiana e nas relações íntimas.

Enquanto que a “comprovação direta” e inclusive a forma de nos tratarmos, por responder a uma situação claramente “excepcional” – o namoro um tanto “avançado” –, não só não proporciona dados confiáveis sobre seu futuro, mas que em muitos casos até os mascara.

Por isso, diante de uma opinião muito difundida, caberia afirmar que ”viver (e deitar-se) juntos” é a melhor maneira de não saber em absolutocomo vai agir a outra pessoa durante o casamento.



Repito que não se trata de mera ficção nem uma forma de “invenção piedosa” para desaconselhar esta convivência. Como acabo de apontar, fica bastante fácil dar-se conta de que a situação que se cria em tais circunstâncias é absolutamente artificial... e muito diferente do que será a vida em comum, dia a dia – não apenas “noite a noite” –, quando ambos estiverem casados.

Provar as pessoas?

Mas pode-se ir mais fundo: não é sério nem honrado “provar” as pessoas, como se se tratassem de cavalos, de carros ou de computadores. As pessoas são algo tão grandioso que, em sua presença, só cabe a veneração e o amor; por elas arrisca-se a vida, “joga-se cara ou coroa” – como dizia Marañón –, “o futuro do próprio coração”, a vida inteira.

Além do que, a desconfiança que implica o colocar a prova não só gera um permanente estado de tensão difícil de suportar, mas se opõe frontalmente ao amor incondicional – incondicionado e incondicionável – que está na base de qualquer bom casamento: e se não há base ou ponto de apoio, o casamento... cai.



E aí cabe acrescentar outro motivo, ainda mais determinante: não se pode realizar este “experimento”, é materialmente impossível, ainda que pareça o contrário, porque o casamento muda muito profundamente os noivos; não apenas do ponto de vista psicológico, ao qual já me referi, mas no próprio ser: modifica-os profundamente, transforma-os em esposos, permite-lhes amar de verdade; antes não era possível este amor!

Mas este é um tema de tanta transcendência que prometo voltar a ele muito em breve.



Tomás Melendo Granados

Postado Por José Silva sábado, agosto 24, 2013. em , . Faça um comentário, que ficaremos felizes! .

0 comentários for "Vale a pena se casar... ou talvez não?"

Leave a reply

Obrigado pelo comentário!
Que Deus lhe abençõe!

Gostou! Curta-nos