Headlines
Published On:domingo, 28 de julho de 2013
Postado Por José Silva

Manifestantes seminus quebram santos católicos em Copacana

Enquanto o papa prossegue sua visita ao Brasil para a Jornada Mundial da Juventude, um grupo de cerca de 500 pessoas começaram no posto 5 da Praia de Copacabana um protesto denominado “Marcha das Vadias”. A partir das 14h30, passaram a deslocar-se pelas ruas do Rio de Janeiro com faixas e cartazes, além de palavras de ordem pintadas pelo corpo e seios à mostra.

Algumas das mensagens empunhadas por elas diziam: “Chupai-vos uns aos outros”, “Tirem seus rosários dos nossos ovários”, ”Meu útero é laico” e diversas frases antirreligiosas.
O tema deste ano é “Quebre o silêncio”, para incentivar mulheres a denunciar os crimes de violência doméstica. Elas dizem que sua luta inclui temas como o fim da violência sexual e de gênero, a descriminalização e legalização do aborto, a regulamentação da prostituição e contra o Estatuto do Nascituro, também conhecido como “bolsa-estupro”. Outro aspecto do protesto é a indignação contra o uso de dinheiro público na recepção do papa.
protesto-marcha-vadias
Logo no início da passeata jogaram ao chão dezenas de crucifixos e imagens de santos. Posteriormente, quebraram imagens de Nossa Senhora Aparecida e Nossa Senhora de Fátima. A atitude chocou os fiéis que estavam na Praia de Copacabana. Inevitavelmente acabaram encontrando ao longo do trajeto diferentes grupos de fieis católicos que estão na cidade para os eventos da Jornada. Vaias e agressões verbais foram trocadas, mas sem registro de violência.
Uma das organizadoras da Marcha é Rogéria Peixinho, ativista da Associação de Mulheres Brasileiras. Foi ao protesto vestida de freira. Para ela, a chegada do pontífice teve como “contraponto a livre manifestação de uma outra juventude”, na rua, “protestando contra a opressão e o controle da vida e da sexualidade das mulheres”.
“A presença do papa e os recursos públicos alocados para a visita de um líder espiritual colocam em xeque a laicidade do Estado. (…) Esse tema está dentro dos eixos da marcha, assim como o direito ao corpo, as denúncias sobre os casos de estupro que estão aumentando principalmente no Rio, e a formulação de políticas públicas de proteção às mulheres”, explicou ela ao UOL.
Questionada sobre a fantasia, respondeu: “A roupa de freira, como eu já me vesti outras vezes, é um símbolo de questionamento sobre a posição da igreja contra o aborto. Muitas mulheres engravidam dentro dos conventos e, muitas vezes, são obrigadas a abortar. A gente já vem colocando esse tema nas marchas há algum tempo”.
gravidez
Curiosamente, o grupo “Católicas pelo Direito de Decidir, também acompanha a marcha. Uma das líderes desse grupo, Valéria Marques, afirmou que ‘sente pena de uma mulher que oprime o próprio gênero’  e que sua organização defende que as mulheres possam “decidir o que fazer com o próprio corpo, incluindo a legalização do aborto”.
Mobilizadas pelo Facebook, mais de 6 mil confirmaram presença, o que indica que mais pessoas devem se juntar à Marcha até o final do dia. Existe a promessa de um “topless coletivo” e um “beijaço gay” para as 19 horas, mesmo horário que deve começar a Vigília, principal o evento da Jornada neste sábado, na praia de Copacabana. Com informações de Globo.com e UOL.

Postado Por José Silva domingo, julho 28, 2013. em . Faça um comentário, que ficaremos felizes! .

0 comentários for "Manifestantes seminus quebram santos católicos em Copacana"

Leave a reply

Obrigado pelo comentário!
Que Deus lhe abençõe!

Gostou! Curta-nos