Headlines
Published On:quarta-feira, 10 de abril de 2013
Postado Por José Silva

A TV é um instrumento de Deus, diz Silas Malafaia


O pastor Silas Malafaia escreveu um artigo para explicar a ligação entre evangélicos e a mídia e assim mostrar aos críticos o que o faz aceitar convites em programas seculares.
O apresentador do programa Vitória em Cristo conta que já trabalha na TV há muitos anos e que sabe usar este espaço para levar a mensagem de Deus e as verdades da Bíblia, aprendendo ao longo desses anos que não é o veículo que é de Deus ou do diabo, mas sim quem o usa.
“Um automóvel conduzido por uma família é bênção. Um automóvel conduzido por bandidos para um assalto é instrumento do diabo. Logo, a questão é: quem usa determina o seu fim”, diz.
Ao falar sobre como a mídia brasileira tem usado sua programação, Malafaia cita a questão do homossexualismo dizendo que há muitos profissionais gays nas emissoras. Ele cita também o programa Fantástico da Rede Globo que defende a bandeira da aprovação do casamento entre pessoas do mesmo sexo apoiando a cantora Daniela Mercury que assumiu um relacionamento com outra mulher.
Mesmo sabendo que a emissora apoia a causa gay, o pastor Silas Malafaia não deixa de dar entrevistas ao canal porque acredita que será luz naquele lugar.
“Eu só não prego no inferno porque não tem salvação para o diabo e seus demônios. Mas, se um programa de TV me convidar, por mais pecador que ele seja e independente da emissora, estarei lá. A luz só pode brilhar no meio das trevas”.
Leia na íntegra:
Como todos sabem, eu pertenço a uma tradicional família de pastores das Assembleias de Deus. Meu pai tem 92 anos de idade e ainda é pastor. Quando nasci, ele já era evangélico há 17 anos. Hoje, eu tenho 54 anos de idade e sou pastor há mais de 30. Percebam, então, que passei toda a minha vida dentro da igreja.
O que vou falar aqui, muita gente, que hoje é evangélica, não tem ideia. Fico rindo daqueles que me criticam hoje, porque ou eram crianças ou ainda não tinham nascido quando eu já fazia confrontação em meu programa de TV desde o seu início, há mais de três décadas.
Vamos aos fatos:
Durante a minha infância e adolescência ouvi muitos pastores e líderes dizerem a seguinte frase: “A televisão e a política pertencem ao diabo”. Quando homens de Deus profetizam isso, estão entregando ao diabo aquilo que ele só pode ter se dermos legalidade. O resultado desse profetismo catastrófico, e aqui eu vou ater-me à questão da TV, é que o diabo “deita e rola” na mídia brasileira.
Para vocês terem uma ideia, a TV mais cara do mundo para a pregação do evangelho é a brasileira. Pagamos 20 vezes mais para veicular programa no Brasil em rede nacional do que para transmitir a partir dos EUA programas para mais de 200 nações. Além disso, por causa desse profetismo catastrófico, as emissoras estão infestadas de gays. Diretores, produtores, autores de novelas, cenógrafos, entre outros, em sua maioria, são gays.
O que precisamos aprender é que a televisão não é de Deus nem do diabo; depende de quem a usa. Esse princípio serve para muitas coisas. Um automóvel conduzido por uma família é bênção. Um automóvel conduzido por bandidos para um assalto é instrumento do diabo. Logo, a questão é: quem usa determina o seu fim.
Quando um programa de TV prega o evangelho, preserva os princípios que Deus estabeleceu para o homem. A TV é um instrumento de Deus. Mas, quando uma programação deturpa os princípios de Deus e leva o homem ao pecado, é um instrumento do diabo.
Precisamos usar de sabedoria, inteligência e estratégia neste momento. Devemos ser veementes e usar todos os meios legais e pacíficos para protestar, questionar, exercer nossa opinião, assim como tenho feito. Entretanto, se radicalizarmos ao ponto de dizermos que nenhum pastor ou cantor deva dar entrevista ou participar de programas da Rede Globo, estaremos reafirmando com essa atitude que aquilo tudo é do diabo e não temos a capacidade de interferir.
Pergunto: por um acaso a Band, o SBT, a CNT, a Rede TV e a própria Record, que foi comprada por meio de dízimos e ofertas, pertencem a Deus? Como disse, quem usa é que determina se o instrumento é de Deus ou do diabo. Agora mesmo todos nós fizemos um protesto veemente contra o absurdo do programa Fantástico, da Rede Globo, ao promover a causa gay querendo “fazer a cabeça” do brasileiro. Esse é o jogo para aceitar o casamento gay.
Eu só não prego no inferno porque não tem salvação para o diabo e seus demônios. Mas, se um programa de TV me convidar, por mais pecador que ele seja e independente da emissora, estarei lá. A luz só pode brilhar no meio das trevas. Todas as emissoras de TV neste país têm programas que afrontam os princípios em que cremos. Por isso quero reafirmar mais uma vez que o nosso papel é protestar, confrontar, denunciar, mas jamais “fechar a porta” numa emissora. Não podemos usar estratégia ignorante.
Como todos sabem, não sou o único, mas sou um dos mais veementes em confrontar toda essa podridão. Vocês não tem ideia do preço que pago. As nossas armas são a fé, a oração, o jejum, a Palavra de Deus e o exercício legal da nossa cidadania.
Deus abençoe você, sua família e o Brasil.
Silas Malafaia

Postado Por José Silva quarta-feira, abril 10, 2013. em . Faça um comentário, que ficaremos felizes! .

0 comentários for "A TV é um instrumento de Deus, diz Silas Malafaia"

Leave a reply

Obrigado pelo comentário!
Que Deus lhe abençõe!

Gostou! Curta-nos