Headlines
Published On:quarta-feira, 16 de janeiro de 2013
Postado Por José Silva

BOBAGEM: cientistas voltam a tentar explicar a evolução do homem


Cientistas estadunidenses estão convencidos que o homem é produto da meteorologia e não do trabalho. Eles elaboraram um calendário climático da humanidade segundo o qual a evolução do homem foi favorecida por cinco bruscas alterações climáticas nos últimos 200 mil anos. Os peritos russos tentam agora verificar a veracidade dessas conclusões.

Os investigadores dos EUA consideram que as sucessões de climas, instantâneas do ponto de vista geológico, provocaram uma brusca aceleração na evolução do homem. A necessidade de se adaptar às novas circunstâncias terá acelerado o desenvolvimento do cérebro, favorecido o desenvolvimento da marcha ereta, o aparecimento de ferramentas de trabalho, etc. Os cientistas apresentam a favor da sua versão o fato de as turbulências geológicas terem coincidido com o período do aparecimento num dado território dos primeiros antepassados do homem que terão aprendido a usar as primeiras ferramentas.
As opiniões dos peritos se dividem a esse respeito. O antropólogo social Alexander Kazankov considera a teoria climática como a corrente principal da ciência universitária:
“O Homo sapiens terá aparecido precisamente nessas condições. Isso é um fato comprovado. As pessoas estudam as alterações paleoclimáticas sobretudo pelo conteúdo de isótopos. Verificam como era o clima e fazem a sua correspondência com os achados arqueológicos. Se verifica que o clima dá um empurrão ao homem e este começa a evoluir progressivamente. Quando o clima se altera bruscamente, a evolução dá um salto, progride aos saltos.”
O perito é de opinião que foi precisamente graças às alterações climáticas que o antepassado do homem se destacou dos seus ascendentes há mais de 100 mil anos. As mudanças do clima obrigaram os primeiros homens a se espalharem primeiro pela África, que muitos cientistas consideram como o berço da humanidade, e depois a se mudarem para outros continentes.
Mas a teoria climática também tem muitos adversários. O paleoantropólogo Alexander Belov considera o fator climático como importante, mas não determinante. Os achados feitos em diferentes continentes, especialmente nos últimos tempos, não cabem em nenhuma das teorias existentes. Além disso, por enquanto ainda é quase impossível determinar a linha de sucessão entre as diferentes formas antigas do homem de forma a reconstruir a história da humanidade de uma forma mais ou menos fiável:
“É difícil determinar a sucessão entre as antigas formas. O Homo sapiens antigo, ou seja, as formas que habitavam há 130-200 mil anos em África, não correspondem muito aos neantropos, o homem de Cro-Magnon, que viviam há cerca de 54-50 mil anos tanto em África, como na Europa, na Ásia e na Austrália. A sucessão entre esses dois grupos, o sapiens antigo e o sapiens sapiens, é muito difícil de determinar. Provavelmente nem há uma sucessão.”
As novas descobertas arqueológicas, segundo o cientista, obrigam o mundo científico a mudar constantemente de ponto de vista acerca do aparecimento do homem e da sua evolução. Nenhuma das hipóteses existentes, na opinião de Alexander Belov, consegue explicar todos os achados e os artefatos descobertos não conseguem ser ligados numa sequência evolutiva. Pelo contrário, por vezes até se observa um processo da chamada evolução inversa, uma redução do volume do cérebro. A propósito, o cérebro do homem de Cro-Magnon é maior que o do homem moderno em 300 centímetros cúbicos. É possível que a ciência que estuda o homem necessite de um fundamento filosófico completamente novo, diz Alexander Belov:
“Não há certezas se as coisas aconteceram de uma ou de outra maneira. Há uma clara falta de conhecimentos a esse respeito. Conhecimentos puramente factuais-arqueológicos, antropológicos, e mesmo teóricos-filosóficos, as generalizações são claramente insuficientes. Isso porque o darwinismo é basicamente uma ideologia. Mas outras teorias alternativas não existem. Existe o criacionismo, mas este não é baseado em fatos, mas em testemunhos religiosos. É que se formou aqui um vazio, simplesmente. Faz falta uma ideia que possa explicar os novos fatos e os novos achados.”
O biológico, por vezes, não corresponde ao cultural e ao climático. É possível que não sejam os fatores externos, mas algumas características próprias do genoma humano que o tenham obrigado a se desenvolver ou a degradar. Parece que, por enquanto, a ciência está voltada para acumular material factual. Já àqueles que querem saber a verdade acerca da origem dos seus antepassados longínquos resta esperar que, de acordo com a lei da dialética, a quantidade acumulada se transforme em qualidade.

http://portuguese.ruvr.ru

Postado Por José Silva quarta-feira, janeiro 16, 2013. em . Faça um comentário, que ficaremos felizes! .

0 comentários for "BOBAGEM: cientistas voltam a tentar explicar a evolução do homem"

Leave a reply

Obrigado pelo comentário!
Que Deus lhe abençõe!

Gostou! Curta-nos