Headlines
Published On:sexta-feira, 6 de julho de 2012
Postado Por José Silva

Igreja Católica teme crescente escândalo do banco do Vaticano


Enquanto o papa Bento 16 pregava a humildade e a ética financeira, seus confidentes continuavam efetuando transações financeiras questionáveis.

Um novo escândalo ameaça envolver a Igreja Católica, e desta vez o foco é o dinheiro. Altas autoridades do Vaticano estão discutindo sobre o futuro do banco do Vaticano. Apesar de alguns defenderem total transparência, transações duvidosas do passado e do presente podem prejudicar a imagem da Igreja.

O escândalo do Vaticano a respeito de contas bancárias escusas e milhões em transferências suspeitas começou pouco antes do amanhecer do dia 5 de junho na Via Giuseppe Verdi, uma rua pitoresca na parte antiga da Piacenza, cidade do Nordeste da Itália. Um senhor de idade, vestindo em um terno bem cortado acabava de sair de casa com uma pasta de couro na mão direita. Ele se dirigia ao seu carro.

Aquele seria um dia importante para Ettore Gotti Tedeschi, recentemente despedido do cargo de diretor do banco do Vaticano -mesmo que tenha saído diferente do que esperava. Tedeschi planejava ir ao Vaticano naquela manhã, mas nunca chegou ao seu destino. O banqueiro de 67 anos perdeu o trem de alta velocidade, e por isso não conseguiu, como tinha planejado, pegar um táxi na estação central da capital italiana para cobrir o curto trecho atravessando o rio Tiber até o Vaticano. Ali, ele esperava tirar os documentos da pasta e entregá-los a uma pessoa de confiança do papa.

Em vez disso, Gotti Tedeschi encontrou quatro homens esperando por ele na rua -não um esquadrão de matadores como temeu a princípio, e sim investigadores dos Carabinieri, a força de polícia militar nacional da Itália. Antes mesmo de chegar ao carro, os investigadores apresentaram um mandado de busca e escoltaram-no de volta para casa. Por sete horas, vasculharam todo seu escritório pouco mobiliado, simples como um claustro. Ao mesmo tempo, outros agentes vasculhavam o escritório de Gotti Tedeschi em Milão. Entre os objetos confiscados, havia dois computadores, dois arquivos cheios de fichários, uma agenda e a pasta de couro.

Os investigadores ficaram satisfeitos. Apesar de terem avançado pouco em sua investigação de corrupção envolvendo um cliente de uma empresa que Gotti Tedeschi dirigiu, uma subsidiária da gigante bancária espanhola Santander, eles tropeçaram em outra coisa que se provou espetacular.

Os documentos confiscados de Gotti Tedeschi, ex-confidente do papa, forneceram aos policiais italianos uma visão do funcionamento do banco do Vaticano. O dossiê secreto inclui referências a contas numeradas anônimas e transações questionáveis, assim como comunicações escritas e eletrônicas mostrando como os funcionários do banco da Igreja burlavam as regulações europeias para combater a lavagem de dinheiro.

Um possível motivo
O drama que vem se desdobrando no Vaticano agora está chegando seu clímax. Primeiro, foi "il corvo", cujas revelações sobre a vida na corte do papa Bento 16, que está isolado e exausto, causaram meses de desconforto. Depois, veio a prisão de Paolo Gabriele, o mordomo do papa, a quem o Vaticano apontou como a fonte da correspondência papal vazada para o público. E agora o escândalo em torno de Tedeschi está fornecendo um possível motivo para a novela católica: dinheiro.

Aparentemente, o papa tinha pedido ao executivo que tornasse o banco do Vaticano mais transparente. Gotti Tedeschi, contudo, talvez tenha encarado sua tarefa com excesso de zelo, e assim irritou forças poderosas dentro da Cúria Romana, o aparato jurídico e administrativo do Vaticano. Várias altas autoridades dentro da Cúria viam o banco, oficialmente conhecido como Instituto para as Obras da Religião (IOR) como algo similar a uma empresa para transações monetárias clandestinas, que não é apenas usada pela Igreja, mas também pela máfia, por políticos e empresas corruptas. Em um dos memorandos confiscados de Gotti Tedeschi, ele escreveu: "Vi coisas no Vaticano que me assustam".

É uma indicação clara que transforma o "Vatileaks" em um escândalo financeiro que pode danificar seriamente a reputação da Santa Sé. Uma correspondência interna datada do dia 22 de maio de um membro do conselho supervisor do banco para o Secretariado de Estado do Vaticano observa que o banco do Vaticano está presentemente "em uma posição extremamente frágil e precária" e que a situação atingiu "um ponto de perigo iminente".

O próximo ato no drama está marcado para a próxima quarta-feira (4). Especialistas em lavagem de dinheiro do Conselho da Europa apresentarão um relatório preliminar sobre o Vaticano em Estrasburgo. Atualmente, parece que vão levantar sérias dúvidas sobre se o IOR está tomando precauções suficientes contra a lavagem de dinheiro.

Suas preocupações são corroboradas pelo trabalho das autoridades italianas. Em sessões de interrogatório de várias horas, Gotti Tedeschi contou aos promotores públicos em quem confiava no Vaticano e em quem não confiava. O banqueiro teria apontado o secretário de Estado, Tarcisio Bertone, como o líder de seus "inimigos", acusando-o de fazer todo o possível para manter as contas da cúria escondidas das autoridades italianas. O Vaticano vem tentando tornar o banco próprio para ser incluído na "lista branca" da Organização de Cooperação e Desenvolvimento Econômico, de instituições financeiras que não são suspeitas de estarem envolvidas em lavagem de dinheiro ou financiamento do terrorismo. Mas Gotti Tedeschi teria reclamado, dizendo: "Se continuarmos na linha de Bertone, nunca sairemos da lista negra".

Líderes do Vaticano alarmados
Fabio Palazzo, advogado de Gotti Tedeschi em Milão, recusou-se a discutir detalhes dos interrogatórios ou o conteúdo dos documentos apreendidos de seu cliente. Ainda assim, ressaltou que os documentos contêm "fatos úteis" que indicariam que não havia base legal para a demissão de Gotti Tedeschi como diretor do banco.

A liderança do Vaticano está alarmada. Os arcebispos e cardeais estão longe de animados com o fato das autoridades italianas agora estarem se inteirando de seus assuntos sigilosos. O porta-voz papal, Federico Lombardi, ameaçou abertamente o aparato policial da Itália e exortou-o a respeitar gentilmente "os direitos soberanos da Santa Sé". Em outras palavras, ele acredita que todos os documentos que incluem detalhes confidenciais sobre o banco do Vaticano apreendidos durante a busca da casa de Gotti Tedeschi não deveriam estar nas mãos de investigadores italianos.

Os temores do papa e da cúria são bem fundados. No passado, toda vez que os promotores italianos se envolveram e documentos confidenciais foram divulgados, as operações secretas do banco do Vaticano sempre acabaram por danificar o prestígio da Igreja. Por mais de 40 anos, o IOR, fundado em 1942, tem estado envolvido em escândalos, incluindo propinas para partidos políticos, lavagem de dinheiro da máfia e contas anônimas.

Muitos que se envolveram nos casos de transações ilegais do banco do Vaticano foram forçados a pagar com suas vidas, enquanto outros passaram anos atrás das grades. Apesar de todas suas promessas sagradas e solenes, o Vaticano conseguiu manter o banco do papa um porto seguro para a lavagem de dinheiro. E, diferentemente de uma ilha no Caribe, ele fica bem no meio da Europa, no coração de Roma.

Seu modelo de negócios depende da sua capacidade de manter as coisas o mais distantes possível das autoridades financeiras. Os ganhos de capital não são taxados, os extratos financeiros não são revelados e o anonimato é garantido. O status exótico do banco, que pertence a uma monarquia religiosa em um Estado soberano do tamanho de um parque de cidade, protegeu-o de investigações e do monitoramento externo desagradável.

A sede do banco fica em uma torre defensiva medieval chamada de Niccolò V, aninhada ao lado do Palácio Apostólico, residência oficial do papa, e abriga uma vasta quantia de dinheiro e papéis comerciais. Aqui, cerca de 100 funcionários cuidam de 33.000 contas com depósitos totais de $6 bilhões de euros (em torno de R$15 bilhões). O beneficiário direto é o papa e sua Igreja. Em 2010, o banco lucrou $55 milhões de euros. Tal receita ajuda a compensar um declínio nas doações dos membros de sua congregação internacional.

O passado escuso do banco do Vaticano
Enquanto o papa Bento 16 e seus predecessores pregavam a humildade e a ética financeira da janela que dá para a praça São Pedro, seus confidentes, que trabalham diretamente abaixo das janelas papais, continuavam efetuando transações financeiras questionáveis.

O Vaticano nunca divulgou as práticas empresariais que seu banco usa há décadas. "Há um temor que, com a transparência necessária hoje, pode-se encontrar algo no passado que não se queira", diz Marco Politi, especialista em Vaticano em Roma.

Essas coisas podem incluir um sistema complexo de contas fantasmas e empresas laranjas, como o banco tinha quando o arcebispo Paul Casimir Marcinkus foi seu diretor, nos anos 80. Na época, o banco fez negócios envolvendo moeda estrangeira e armas com o banqueiro milanês Robert Calvi e o financista da máfia Michele Siddona -e ajudou a lavar o dinheiro ilegal que a máfia ganhou com o tráfico de drogas assim como propinas pagas para políticos italianos conservadores cristãos.

No final, Calvi foi encontrado pendurado na ponte de Blackfriars em Londres, e sua secretária privada caiu para a morte da janela do Banco Ambrosiano. Quatro anos depois, em 1986, Sidona morreu na prisão, depois de beber um café expresso temperado com cianeto.

Sob o monsenhor Angelo Caloia, sucessor de Marcinkus como diretor do banco, o Vaticano expandiu consistentemente suas atividades de lavagem de dinheiro. Enquanto esteve no comando, houve contas secretas como as de Giulio Andreotti, o controverso ex-primeiro-ministro italiano. Quase semanalmente, Caloia trazia malas para o Vaticano cheias de doações de empresas italianas na forma de dinheiro e títulos. Ali, a origem do dinheiro era obscurecida, usando contas como a de número 001-3-14772-C, da não existente "Fundação Cardeal Spellman". Da mesma forma, organizações de assistência humanitária foram fundadas com nomes mascarando sua verdadeira identidade de seus verdadeiros beneficiados.

Apenas três anos atrás, quando as evidências dessas transações vieram à luz, que o papa Bento 16 demitiu Caloia. O que provocou a mudança foram os mais de 4.000 documentos que o especialista financeiro Renato Dardozzi reuniu e escondeu antes de sua morte em 2003. Em seu testamento, Dardozzi escreveu: "Esses documentos devem ser publicados para que todos saibam o que aconteceu aqui".

Eliminação das pistas
Assim, tornou-se a missão de Gotti Tedeschi limpar as coisas. Como leigo casado que não pertencia à corte de cardeais da cúria, ele era bem qualificado para a tarefa.

Católico, porém, ainda estava preso a um sentido de lealdade ao papa, e considerou o novo trabalho desafiador. Devido aos negócios questionáveis do passado, o IOR tinha fama no mundo financeiro de ser tão transparente quanto os paraísos fiscais no Caribe. Gotti Tedeschi queria mudar isso e tornar o Vaticano apto para ser incluído na "lista branca"da Ocde, de organizações mundiais não suspeitas de lavagem de dinheiro. Membros do comitê do Conselho da Europa responsável por combater a lavagem de dinheiro deveriam ajudar nesses esforços e, para isso, teriam permissão de entrar no santuário interno do banco do Vaticano.

Aparentemente, contudo, os banqueiros veteranos da Igreja e membros da cúria não tinham a menor intenção de se abster dos negócios lucrativos com fundos problemáticos. O plano, acreditam os investigadores financeiros italianos, era dali por diante eliminar discretamente todas as pistas das operações financeiras clandestinas.

Um banco no país natal de Bento, a Alemanha, teve um papel no esforço. Em 2009, no mesmo ano em que Gotti Tedeschi assumiu como presidente do IOR, foi aberta uma conta na filial de Milão do banco americano JPMorgan Chase. Dali em diante, milhões começaram a fluir quase diariamente da filial do JPMorgan em Milão para a de Frankfurt, onde o IOR também tinha outra conta no JPMorgan.

As autoridades do Vaticano optaram por uma conta especial em Milão tipo 1365, que era zerada automaticamente no final de cada dia. O banco do Vaticano confirmou a existência dessa conta no final da semana passada, apesar de dizer que era usada primariamente para lidar com transações de títulos.

No ano passado, esse arranjo financeiro teria sido usado para processar mais de 1 bilhão de euros do banco do Vaticano. Investigadores italianos suspeitam que também o processo era usado para lavar fundos de fontes duvidosas.

As transferências via JPMorgan provavelmente teriam permanecido invisíveis se o IOR não tivesse envolvido outro banco italiano, dois anos antes, em dois casos. Transações curiosas chamaram a atenção dos fiscais financeiros italianos, feita pelo banco do Vaticano via Credito Artigiano. Em 2010, 23 milhões de euros foram transferidos de várias contas naquele banco, mas sem listar os nomes do correntistas ou os propósitos das transferências. Assim, 20 milhões de euros teriam chegado à conta do JPMorgan do Vaticano em Frankfurt, enquanto outros 3 milhões de euros foram destinados para outro banco em Roma.

Tempestade financeira
Antes das transações serem completadas, os promotores federais em Roma congelaram os fundos. Então, iniciaram investigações contra Gotti Tedeschi e Paolo Cipriani, diretor geral do IOR, sob suspeita de violarem regulações contra a lavagem de dinheiro. Alarmados com as investigações italianas, os funcionários do JPMorgan começaram a perguntar ao Vaticano de onde vinha o dinheiro que passava regularmente pela conta em Milão. Contudo, não tiveram respostas satisfatórias. Como resultado, o banco então deu ao IOR uma classificação interna de cliente de alto risco e começou a monitorar suas transações em busca de pistas que demonstrassem casos de lavagem de dinheiro.

As investigações dos promotores em Roma e a desconfiança dos banqueiros em Frankfurt forçaram o Vaticano a agir -mais por pânico do que por remorso, aparentemente. No final de 2010, Bento emitiu um decreto obrigando o banco do Vaticano a cumprir as normas de combate à lavagem de dinheiro da UE. Ele também estabeleceu uma agência supervisora para o Vaticano, a Autoridade de Informação Financeira, e nomeou como diretor o cardeal Attilio Nicora, que serviu como gerente dos bens papais por muitos anos.

Com essas medidas de emergência, o Vaticano conseguiu que as autoridades italianas liberassem os 23 milhões congelados do IOR. Mas a calma que esperavam criar em meio à tempestade financeira não se materializou.

De fato, novos fatos agravantes podem vir à tona em breve. Por um lado, o Vaticano teve que permitir que especialistas em lavagem de dinheiro do Conselho da Europa em Estrasburgo avaliassem seu banco. A votação desta semana por esses especialistas vai influenciar a decisão se o Vaticano um dia poderá configurar na "lista branca" da UE. Os especialistas do Comitê de Especialistas em Avaliação de Medidas de Combate à Lavagem de Dinheiro do Conselho (Moneyval) já montaram acampamento no Vaticano por vários dias em 2011. Ali, questionaram cardeais, bispos e executivos do IOR sobre 16 pontos. Eles só darão uma carta de saúde do banco do papa se todos esses pontos forem respondidos de forma positiva.

Além disso, promotores federais em Roma estão avançando em suas investigações. Em outubro, eles pediram ajuda aos colegas alemães para obterem documentos relativos à conta do IOR na filial do JPMorgan de Frankfurt. A medida fracassou em novembro, contudo, quando um juiz em Frankfurt recusou-se a emitir uma ordem de apreensão devido à "falta de evidências".

"Continua um paraíso fiscal"
Os banqueiros do papa enfrentaram outro contragolpe no início do ano, quando o JPMorgan fechou sua conta de transferência em Milão. Para explicar a decisão, o banco americano escreveu para Roma em meados de fevereiro que regulações de combate à lavagem de dinheiro estritas não permitiam mais "depósitos ou retiradas via contas 1365".

Enquanto isso, a situação na sede do IOR estava cada vez menos cristã. Enquanto Gotti Tedeschi perdeu apoio de cima, o cardeal secretário de Estado, Bertone, esforçou-se para que o decreto de Bento fosse flexibilizado. Na nova versão, o monitoramento do banco do vaticano só é possível com o consentimento do próprio Bertone. O cardeal Nicora, homem originalmente nomeado para se tornar o fiscal financeiro novo do Vaticano, não ficou contente. Em uma carta a Bertone escrita pouco após a mudança, Nicora reclamou que, como ela, "estamos dando um passo atrás e permanecendo um paraíso fiscal".

Um memorando confidencial vazado para o jornal romano "IL Fatto Quotidiano" deixa claro quão dramáticas e divididas as coisas se tornaram no alto escalão do Vaticano. Apesar do documento não ter data e não ter indicações de quem o escreveu, o jornal alega que o memorando vem do "topo", talvez entre pessoas próximas a Georg Gänswein, secretário privado do papa e extremamente próximo. No documento, o autor anônimo descreve as atuais práticas empresariais do banco do Vaticano como "inconsistentes com as exigências de transparência". Depois diz que há um "risco concreto de redução da classificação e de significativa perda de prestígio da Santa Sé".

O novo conselho responsável por supervisionar o banco do Vaticano começou suas operações em maio. Em cartas apaixonadas ao cardeal secretário de Estado Bertone, dois de seus membros -o ex-banqueiro Ronaldo Schmitz, alemão, e seu colega americano Carl Anderson- expressaram sua falta de fé em Gotti Tedeschi. Em sua carta, Anderson fez menção específica ao fechamento da conta do JPMorgan. Diante dos "tempos difíceis", escreveu Anderson, Gotti Tedeschi fracassou em "defender vigorosamente a instituição". Schmitz, por outro lado, lamentou a "falta de lealdade" de Gotti Tedeschi.

Dois dias depois, Gotti Tedeschi foi forçado a abandonar sua missão inconfortável.

De forma a estabelecer ao menos um pouco de transparência, o porta-voz papal, Lombardi, fez algo inusitado na história do IOR: convidou jornalistas para uma reunião dentro da fortaleza que abriga o banco, para rebater a alegação que havia contas numeradas anônimas.

No salão ornado do banco, rapidamente ficou claro como os banqueiros de Deus estão levando as coisas a sério. Perguntas? Sim, preferivelmente por escrito. Câmeras? Não. Gravadores? Proibidos. Uma olhada no cofre? Claro que não. Ainda assim, as coisas não foram totalmente sérias: o diretor do banco, Cipriani, mostrou de brincadeira uma camiseta com as palavras: "Especialista em Combate à Lavagem de Dinheiro".

Fonte: Der Spiegel

Postado Por José Silva sexta-feira, julho 06, 2012. em . Faça um comentário, que ficaremos felizes! .

0 comentários for "Igreja Católica teme crescente escândalo do banco do Vaticano"

Leave a reply

Obrigado pelo comentário!
Que Deus lhe abençõe!

Gostou! Curta-nos