Headlines
Published On:sexta-feira, 8 de junho de 2012
Postado Por José Silva

Eleições 2012: Evangélicos são disputados no Rio de Janeiro

Sem um candidato evangélico na cidade do Rio de Janeiro, os pretendentes ao cargo se mobilizam para atrair essa fatia do eleitorado, que pode chegar a 20% do total.

Sem a deputada Benedita da Silva e o senador Marcelo Crivella na disputa, o que não ocorria há quase 20 anos, a eleição do Rio de Janeiro terá um ingrediente novo em um passado recente: a ausência de um candidato evangélico. O fato faz os pretendentes ao cargo se mobilizarem com estratégias específicas para atrair essa fatia do eleitorado, que pode chegar a 20% do total, segundo projeções dos próprios candidatos e do cientista político da Universidade Federal Fluminense (UFF) Marcus Ianoni.

Em teoria, o deputado Rodrigo Maia (DEM) é quem terá mais força junto ao público, já que a deputada estadual Clarissa Garotinho (PR), vice na chapa de Rodrigo, é evangélica, e o pai dela, o deputado federal Anthony Garotinho, também é visto como um interlocutor. "O Garotinho optou por um caminho em que a questão dos valores é prioridade na pauta política e no posicionamento dele. O mandato é na defesa de questões como o kit homofobia, e ele tem se posicionado nesses temas. É natural que os evangélicos vejam nele essa referência", analisou Maia.

O prefeito Eduardo Paes, que busca a reeleição pelo PMDB, tem em sua rede de alianças o PRB, legenda de Marcelo Crivella, ministro da Pesca do governo Dilma Rousseff. Crivella é ligado à Igreja Universal do Reino de Deus. Outras organizações religiosas que acompanham o atual prefeito são a Assembleia de Deus Vitória em Cristo, a Igreja Internacional da Graça e as rádios El Shaddai e Melodia, ambas da área gospel.

"Nenhum desses grupos tem mais de 3% ou 4% da população. As assembleias de Deus são as maiores (igrejas), mas ninguém tem controle total", afirmou Maia. O deputado do DEM define os assuntos que mais atraem a atenção: "Isso já foi detectado há muito tempo e todos os partidos trabalham temas polêmicos como valores ou leis municipais, aborto ou casamento gay. O eleitor gosta".

Psol critica "votos de cabresto"
O pastor Mozart Noronha, da Igreja Luterana, critica a "manipulação de massa" que ocorre, segundo ele, em diversas igrejas do Rio de Janeiro. Militante do Psol, Noronha diz que existe um "eleitorado de cabresto" no Rio e que o deputado Marcelo Freixo (Psol), pré-candidato à prefeitura da cidade, não terá nenhuma estratégia para obter votos evangélicos.

"Existem igrejas evangélicas com perfis completamentes diferentes. Os neopentecostais têm um poder de voto muito grande e são compostos de uma grande massa, comandada por um clero ardiloso e manipulador. Essas igrejas normalmente têm candidatos próprios e imenso número de votos. O Marcelo Freixo não está nessa questão. Muitos evangélicos históricos vão votar nele, mas pelas posições políticas", ressaltou.

O pastor tem participado de eventos com Freixo e, mesmo sendo evangélico, propõe uma separação entre igreja e Estado: "As pessoas que vão apoiá-lo farão porque se identificam com ele e sua proposta, que é nova. Ele terá muitos votos conscientes. Não são eleitores de cabresto, passíveis de manipulações. Fazemos uma separação entre igreja e Estado." Freixo, no entanto, busca o apoio da ex-senadora Marina Silva (PV), coadjuvante do segundo turno na última eleição presidencial. Evangélica, ela obteve quase 20 milhões de votos no primeiro turno.

Penetração evangélica no poder
O cientista político Marcus Ianoni acredita que, independentemente de quem vencer a eleição municipal deste ano no Rio de Janeiro, os evangélicos estarão em postos importantes e influentes no Poder Público da cidade: "Dada a presença deles na sociedade e na política carioca, com certeza eles ocuparão postos na próxima administração, seja no Executivo ou no Legislativo. Eles têm lideranças com boa penetração nos partidos e no eleitorado."

O professor da UFF entende que os candidatos vão assumir posturas diferentes durante a campanha para atrair votos religiosos. "Se um candidato conseguir acordo com segmentos evangélicos que lhe abra a expectativa de receber expressivos votos, ele poderá colocar em seu programa de TV algumas bandeiras caras para os evangélicos. Mas é importante não esquecermos que nem sempre tocar em assuntos religiosos de uma forma intensa é uma boa estratégia. Há no Rio um eleitorado de classe média que é avesso a campanhas conservadoras", ponderou.

Fonte: Jornal do Brasil

Postado Por José Silva sexta-feira, junho 08, 2012. em . Faça um comentário, que ficaremos felizes! .

0 comentários for "Eleições 2012: Evangélicos são disputados no Rio de Janeiro"

Leave a reply

Obrigado pelo comentário!
Que Deus lhe abençõe!

Gostou! Curta-nos