Headlines
Published On:terça-feira, 19 de julho de 2011
Postado Por José Silva

Pastores que pregam contra o homossexualismo são constantemente presos em São Paulo


Todos os pudores do pastor Cristiano Xavier (foto), de 36 anos, um dos evangélicos que pregam diariamente na Praça da Sé, região central de São Paulo, desaparecem quando ele explica porque tem um discurso tão virulento contra os homossexuais. Ultimamente, as pregações de Xavier e seus correligionários na praça têm virado caso de polícia.
“É um tema que causa polêmica, atrai público. Está até no meu DVD. R$ 10. Quer comprar um?”, pergunta Xavier, depois de terminar a palavra, puxando o repórter para um canto. Em seu discurso de ontem, ele gritava: “Os bicha deixam Deus em segundo plano. São promíscuo, sujo, faz orgia (sic)…”.
“Glória a Deus!”, dizia o fiel desempregado Rildo Ferreira, de 33 anos, com a Bíblia na mão. Por três vezes, Ferreira voltou ao tema dos “efeminados”, a pedido do pastor.
Sentindo-se ofendidos, gays de passagem, lésbicas e simpatizantes reclamam no posto policial do que chamam de “baixarias”. Eventualmente, a reclamação evolui para um registro no 1.º Distrito Policial, na Liberdade, que atende a região.
Postado dia 28 no YouTube, embate entre homossexuais e evangélicos na praça já teve cerca de 10 mil acessos. Na ocasião, um homem e uma mulher que discordaram do pastor foram xingados de “filhos de satã”. Policiais precisaram usar gás de pimenta para evitar agressões. Segundo PMs, há confrontos semanais. “Qualquer pessoa de roupa colorida já é classificada de “criatura do demônio”", diz policial.
A operadora de videoconferência Renata Flores, de 23 anos, conta que há cerca de um mês passava pela praça em direção ao trabalho, quando resolveu parar “para ver se estavam dizendo algo interessante”. “Mas o cara só atacava, xingava, julgava. Além do mais, falava tudo errado.”
Renata tentou interpelar o pastor, mas ele a ignorou. Um rapaz (que preferiu não se identificar) se juntou a ela e os dois reclamaram da “falta de respeito” no posto policial da praça. Para não ficar só nisso, resolveram registrar a ocorrência no DP.
“Você pode pensar do jeito que quiser, mas o respeito à liberdade de expressão é fundamental”, acredita Renata, que se declara espírita e bissexual.
Xavier diz que já esteve na delegacia “várias vezes”, respondendo a acusações de difamador. “Eles (no DP) chamam a gente de tudo, de louco, de xarope, e fica assim”, diz.
“A polícia prende nós, só que não pode fazer nada, porque o que a gente prega tá na Bíblia”, completa o pastor Alexandre Pedrezani, de 37.
Um soldado conta: “É só aparecer uma garota com vestido curto que eles apontam e começam a chamá-la de profana para as pessoas em volta. Eles só não têm coragem de mexer com as prostitutas da (Praça) João Mendes. Com certeza elas não nos chamariam. Mas partiriam pra cima deles.” O delegado Altair de Antônio Joaquim, do 1.ºDP, afirma que nem sempre a pessoa quer registrar a ocorrência. “Faço termo circunstanciado por injúria, que vai para o fórum e vira inquérito.”
Justiça
A polêmica entre gays e religiosos ficou mais acirrada depois que o Supremo Tribunal Federal foi favorável à união homoafetiva. Na última Marcha para Jesus, a decisão foi ferozmente atacada. Dois dias depois, a Parada Gay usou santos em campanha pelo uso de preservativos. O cardeal d. Odilo Scherer classificou a campanha de “infeliz, debochada e desrespeitosa”. A parada afirmou que a intenção era “mostrar que todos têm de lutar pela prevenção de doenças sexualmente transmissíveis”.
Toni Reis, presidente da Associação Brasileira de Gays, Lésbicas, Bissexuais, Travestis e Transexuais afirma que já houve “grande evolução”. “Na Idade Média, homossexuais eram queimados na fogueira.”




Harry Potter e as Relíquias da Morte Parte II, o último filme da série Harry Potter, chegou aos cinemas nesta sexta-feira (15). Após 10 anos, a trama continua a atrair milhões de admiradores adolescentes. Somente a sessão de pré-estreia nos Estados Unidos, na quinta-feira (14), à noite, arrecadou U$ 43,5 milhões. Junto com o sucesso, a saga continua a oferecer ao público alguns perigos, com conteúdo sobre ocultismo, bruxaria e falsa religião, alerta o estudioso Dr. Ted Baehr, presidente da Comissão Cristã de Filme e Televisão nos EUA.
“O capítulo final para as histórias de Harry Potter, como os livros, contém alguns elementos alegóricos evidentes aos cristãos. Mas, a versão do filme altera ligeiramente o confronto final entre o herói e o vilão para torná-lo ainda mais em um espetacular confronto entre dois mágicos feiticeiros”, Baehr disse.
Baehr, teólogo e estudioso da Bíblia, destacou que Deus condena veementemente a bruxaria e a feitiçaria em Deuteronômio 18:10-13. Além do mais, acrescenta Baehr, “o povo de Deus não fala ou consulta os mortos, e é exatamente o que acontece no final do filme Harry Potter”.
Um outro problema do filme, Baehr frisa, é uma linha de diálogo sugerindo que as pessoas merecedoras serão recompensadas. “Isso vai contra os ensinamentos cristãos. A Bíblia diz que todos pecaram e destituídos estão da glória de Deus (Rm 3.23), e que Jesus Cristo morreu por nossos pecados, sendo nós ainda pecadores (Rm 5.8)”, Baehr diz.
“Essa linha de diálogo pode parecer para algumas pessoas como uma coisa menor ou um distante ponto de discussão teológica, mas 50 anos de pesquisa mostram que as pessoas, especialmente crianças e adolescentes impressionáveis, são influenciados pelo que vêem nos filmes e na televisão”, afirma o teólogo.
Baehr disse ainda que todo cristão, especialmente pais, professores, religiosos e líderes nos meios de comunicação de massa, tem o dever de guardar os corações e mentes das crianças e adolescentes de falsas ideias e do mal que pode levar à destruição do comportamento. Questões teológicas são tão importantes quanto as morais e as filosóficas.
Presidente da Comissão Cristã de Filme e Televisão, Baehr aconselhou os pais, avós, professores e líderes religiosos a alertar crianças e adolescentes sobre os perigos de ver filmes e programas de televisão como Harry Potter. Tutores devem ensinar as crianças a escolher o bem e a rejeitar o mal. Em vez de filmes como Harry Potter, Baehr recomenda filmes como Crônicas de Nárnia, que pelo menos possuiu alguma mensagem bíblica.

 


A Lei Alexandre Ivo, o substitutivo do PLC 122 que está sendo preparado no Senado e Câmara, foi defendido por um dos maiores opositores do antigo PLC 122, o senador Magno Malta, líder da Frente em Defesa da Família do Congresso.
Magno, senador pelo Espírito Santo e evangélico, disse: “Estão confundindo a opinião pública. Homofobia é violência física, assassinato, crueldade, barbaridades, já o texto apresentado pela senadora Marta Suplicy, também com novo nome, agora, batizado de Lei Alexandre Ivo, é uma tentativa de enfrentar a intolerância, o preconceito e a discriminação no mais amplo sentido e não apenas em favor dos homossexuais, mas também na questão racial, estética, social, religiosa e contra o machismo que humilha as mulheres”.
Para Magno Malta não se deve priorizar uma ou outra minoria de foirma isolado, mas fazer leis que abracem o maior número de possíveis vítimas da intolerância. “Devemos ter ações para enfrentar os preconceitos étnico-racial, o social – de rico contra pobre – estético – principalmente as crianças obesas que sofrem bullying, em relação à sexualidade, a intolerância a religiosidade, a discriminação contra o idosos, o excepcional e a cruel violência contra a mulher”, disse.

 



Laura Fotusky, escrivã na cidade de Barker, anunciou sua demissão na segunda-feira no site New Yorkers for Constitutional Freedoms (Nova-Iorquinos a favor das Liberdades Constitucionais). “Não posso colocar minha assinatura em algo que é contra Deus”, ela escreveu em sua carta de demissão. “A Bíblia ensina claramente que Deus criou o casamento entre homem e mulher como um presente divino que preserva as famílias e as culturas”.
“Eu estaria abrindo mão da minha consciência moral se participasse dos procedimentos de licenciamento [dos "casamentos" gays]“, acrescentou ela.
Fotusky, que foi nomeada a primeira vez em 2007, disse que se demitirá na data de 21 de julho, três dias antes de a lei entrar em vigor. “Tive de escolher entre meu Deus e meu emprego”, ela disse para o jornal PressConnects.
O pastor Jason J. McGuire, diretor-executivo de Nova-Iorquinos a favor das Liberdades Constitucionais, disse: “É lamentável que quando os senadores estaduais estavam ocupados protegendo os interesses especiais dos esquerdistas e enchendo suas contas de campanhas, que eles tivessem cometido negligência ao não protegerem as pessoas religiosas e boas”.
A assembleia legislativa aprovou a Lei de Igualdade do Casamento em 24 de junho, tornando-o o sexto estado dos EUA a reconhecer o “casamento” homossexual, além do Distrito de Colúmbia.
Dentro de dias, uma escrivã da cidade de Volney, perto da cidade de Syracuse, anunciou que estava lutando para proteger seu direito de não assinar as licenças. “Se há qualquer jeito possível de não fazer isso legalmente, então sim, eu não ia querer colocar meu nome em nenhuma dessas certidões ou documentos”, Barbara MacEwen disse para o site Politico. “Essa é a vida deles, eles podem fazer isso, mas não sinto que eu deva ser forçada a fazer algo que é contra meus valores morais e contra meu Deus”.
Contudo, como resultado do esforço de MacEwen o promotor público do Condado de Nassau enviou uma carta para os escrivães da cidade na semana passada avisando que eles enfrentariam processos criminais se recusassem a assinar as licenças.
A Lei de Igualdade do Casamento “não concede nenhuma liberdade de escolha para os funcionários públicos encarregados de dar licenças de casamento”, escreveu Kathleen Rice.
“As isenções religiosas na Lei de Igualdade do Casamento não se aplicam aos escrivães municipais que trabalham em seus papéis de dar licenças”, continuou ela, “e a recusa intencional de um funcionário público de dar licenças de casamento para duplas homossexuais qualificadas pode constituir em má conduta, uma contravenção de primeira categoria conforme vem definida na seção 195.00 da Lei Penal do Estado de Nova Iorque”.
O governador Cuomo disse aos jornalistas na terça-feira que a lei tem prioridade sobre as convicções religiosas dos funcionários públicos. “Se você está dizendo que vai agir de acordo com suas convicções religiosas e não de acordo com a lei do estado, então você não pode trabalhar num cargo em que você tem a obrigação de impor a obediência à lei, certo?” disse ele, de acordo com o NY Daily News. “Pois as leis têm de estar acima de tudo, e têm de estar acima de suas convicções religiosas”.
Os direitos de liberdade de consciência dos funcionários públicos que lidam com licenças de casamento estão rotineiramente sendo pisados em jurisdições em que se permitem os “casamentos” de mesmo sexo.
Quando o “casamento” gay foi introduzido na Califórnia em 2008, vários municípios fecharam suas repartições que faziam cerimônias de casamento em vez de enfrentarem repercussões legais por recusarem agradar às duplas homossexuais.
Na Inglaterra, uma escrivã sofreu derrota após anos de processos, depois que seu empregador ameaçou demiti-la por reorganizar sua escala a fim de não participar da concessão de licenças de casamento para homossexuais.
No começo deste ano em Saskatchewan, no Canadá, o governo provincial decidiu não recorrer de uma decisão de tribunal que disse que os comissários de casamento na província não tinham permissão de escolher não participar da realização de “casamentos” gays. O tribunal havia dito que permitir que comissários recusem realizar “casamentos” de mesmo sexo envia “uma mensagem forte e sinistra” de que “os gays e as lésbicas são menos dignos de proteção como indivíduos na sociedade canadense”.
Num distrito de Amsterdã, onde o “casamento” gay é legalmente reconhecido desde 2007, comissários de casamento são denunciados e obrigados a passar por uma avaliação anual para garantir total cooperação com a mudança da lei, depois que houve suspeita de que duas funcionárias haviam mostrado resistência.

Postado Por José Silva terça-feira, julho 19, 2011. em . Faça um comentário, que ficaremos felizes! .

0 comentários for "Pastores que pregam contra o homossexualismo são constantemente presos em São Paulo"

Leave a reply

Obrigado pelo comentário!
Que Deus lhe abençõe!

Gostou! Curta-nos