Headlines
Published On:quinta-feira, 26 de setembro de 2013
Postado Por José Silva

Curiosidade: Chelyabinsk-40, cidade secreta russa é o lugar mais radioativo do planeta

Entre os Montes Urais e a alguns quilômetros da fronteira com o Cazaquistão, está localizada a pequena cidade russa de Ozyorsk, que é conhecida por ser o lugar mais radioativo do planeta. Logicamente, esse título não foi conquistado de uma hora pra outra e a história da cidade nos permite entender melhor o que aconteceu para que esse lugar acumulasse taxas de radioatividade suficientes para matar uma pessoa em algumas horas.

Mapa da região de Ozyorsk (antiga cidade secreta de Chelyabinsk-40).Fonte da imagem: Reprodução/Wikimedia Commons
Como tudo começou

Ozyorsk passou a aparecer no mapa e ser conhecida pelas pessoas somente após 1992, quando o presidente Boris Yeltsin assinou um decreto que permitia que cientistas e pesquisadores pudessem explorar a área.

Antes disso, a cidade secreta recebeu os nomes de Chelyabinsk-40 e Chelyabinsk-65, sendo que Chelyabinsk era uma referência ao centro administrativo mais próximo e os números representavam o código postal da localidade – essa era uma maneira comum de dar nome a cidades fechadas.

Instalações da Mayak.Fonte da imagem: Reprodução/Wikimedia Commons

Já o mistério que pairava sobre Chelyabinsk-40 vinha das atividades que o governo soviético realizava no local. Na década de 1940, a cidade foi escolhida como sede da “Mayak”, um centro de produção de material nuclear que foi mantido em segredo até 1990.

Quando a existência de Mayak foi oficializada, os registros já mostravam 21% de aumento na incidência de câncer, 25% de aumento nos problemas no nascimento e 41% de aumento nos casos de leucemia em toda a região de Chelyabinsk. Estima-se que 65% da população tenha sido afetado pela radiação, sendo que os médicos tinham que atestar que seus pacientes sofriam de uma “doença especial”, pois eram proibidos de mencionar a radioatividade em seus diagnósticos.
Falta de planejamento

O principal objetivo da Mayak era produzir armas a partir do Urânio-238 encontrado nas montanhas da região. Em 1948, o primeiro reator começou a funcionar, convertendo urânio em plutônio para enviar o material para os construtores de bombas.

Porém, todos os esforços da construção visaram otimizar a produção da matéria nuclear e deixaram de planejar uma maneira adequada para descartar os resíduos. Sendo assim, o rio Techa – que abastecia cerca de 40 cidades e vilas da região – foi um dos destinos dos resíduos nucleares.

Rio Techa.Fonte da imagem: Reprodução/Media Zavod

Depois de três anos infectando o rio, o governo soviético enviou pesquisadores para se certificar de que a situação estava sob controle. Os cientistas descobriram que, em apenas uma hora, o rio emitia 25% da radioatividade liberada na região durante um ano inteiro. Essa constatação fez com que milhares de famílias fossem realocadas.

Mas o problema persistia e o governo precisava encontrar um novo destino para os resíduos de sua produção nuclear. Foi quando, em 1951, o lago Karachay foi escolhido especialmente por não ter contato com qualquer outro rio ou nascente, o que fez com que os responsáveis imaginassem que o material depositado ali não se espalharia para outros lugares. Testes posteriores mostraram que a água do lago Karachay pode entrar em contato com o pântano Asanov, que também fica na região.
Acidentes nucleares

Além de poluir os rios e lagos, a Mayak sofreu alguns acidentes nucleares de grandes proporções que contribuíram para aumentar os riscos de radioatividade da região. Em 1957, a explosão de um tanque resultou na dispersão de 50 a 100 toneladas de matéria de alto nível radioativo.

Lago Karachay.Fonte da imagem: Reprodução/Wikimapia

Ainda, em 1968, o próprio lago Karachay sofreu um período de estiagem e ficou seco. O vento acabou dispersando a poeira radioativa que estava depositada no fundo do lago em uma área de 2,3 mil quilômetros quadrados, atingindo cerca de 500 mil pessoas. Nos anos 1990, cientistas descobriram que a taxa de radiação emitida pelo lago (600 Röntgen) era suficiente para matar uma pessoa em uma hora.

Em 2003, as instalações da Mayak tiveram suas atividades revogadas. Hoje, o rio Techa contém pequenas quantidades de césio e o lago Karachay teve parte de seu leito coberto com concreto, mas ainda não é possível controlar a contaminação da população local e reverter os problemas foram causados durante tantos anos.

Postado Por José Silva quinta-feira, setembro 26, 2013. em , . Faça um comentário, que ficaremos felizes! .

0 comentários for "Curiosidade: Chelyabinsk-40, cidade secreta russa é o lugar mais radioativo do planeta"

Leave a reply

Obrigado pelo comentário!
Que Deus lhe abençõe!

Gostou! Curta-nos